Entendendo mais sobre Convulsões com Dra. Thaís da Silva

A convulsão ocorre com a contratura muscular de forma involuntária em parte do corpo ou em todo corpo, acarretando o aumento da atividade elétrica cerebral. As convulsões podem ser parciais quando apenas parte do hemisfério é acometido pelas descargas elétricas cerebrais, ou total, quando os dois hemisférios cerebrais são acometidos. Para nos trazer mais esclarecimentos sobre convulsão, conversamos com a Radiologista e Neurorradiologia Dra. Thaís da Silva Santana.


Viva mais viva melhor – Doutora, primeiramente, conta para a gente o que é a convulsão e quais as causas?

Dra. Thaís da Silva Santana – A convulsão é um distúrbio elétrico, que ocorre de maneira repentina e descontrolada, desencadeia reações físicas e até emocionais no paciente a depender da região do cérebro que é acometido, ela geralmente tem um fator desencadeante, determinante desse quadro e ela pode ser única, e a pessoa pode não ter mais durante a sua vida.


Viva mais viva melhor – Quais são os tipos de convulsões?

Dra. Thaís da Silva Santana – Pode ser: Parcial ou focal, onde uma área do cérebro pode ser acometida Parcial complexa: que é associado a uma perda de consciência Generalizada: mais de uma região do cérebro acometida. Alguns subgrupos onde os mais frequentes seriam o Pequeno mal: caracterizado por crise de ausência, onde a pessoa não responde a estímulos, fica meio aérea. Grande mal: Tônico clonica, generalizada , onde a pessoa tem reações físicas de contração, de flexão.


Viva mais viva melhor – Existe diferença entre epilepsia e convulsão?

Dra. Thaís da Silva Santana – Sim, epilepsia é um transtorno neurológico, onde o paciente tem crises convulsivas recorrentes sem uma pronta identificação causal, diferente da convulsão que normalmente se sabe o fator que está causando a crise.


Viva mais viva melhor – Quais os riscos durante uma crise convulsiva?

Dra. Thaís da Silva Santana – Pode sofrer acidentes durante a crise convulsiva, tanto trabalhando como na diversão, o acidente pode ser causado por algum objeto perfurante, pode se afogar, ser atropelado. Depende muito do local onde ocorra a crise.


Viva mais viva melhor – Qual a conduta mais adequada para ajudar uma pessoa que está convulsionando e o que deve ser feito após a crise convulsiva, é preciso levar o indivíduo para emergência?

Dra. Thaís da Silva Santana – Primeiramente tentar proteger a pessoa, colocando em lugar seguro e confortável apoiando a cabeça. Não é necessário dar nada para a pessoa beber, cheirar ou segurar a língua, se a crise durar mais de 5 minutos ou não recuperar a consciência completa, deve-se levar para emergência, chamar a SAMU.


Viva mais viva melhor – Durante uma crise convulsiva o indivíduo pode falecer?

Dra. Thaís da Silva Santana – Sim, várias causas biológicas e patologias podem causar uma crise convulsiva antes de o paciente falecer.


Viva mais viva melhor – O indivíduo pode dormir depois de uma crise convulsiva?

Dra. Thaís da Silva Santana – Geralmente as crises são rápidas, se o paciente evoluir bem, reagir bem ele pode descansar, porque a pós a crise normalmente apresenta dor de cabeça e sonolência.


Viva mais viva melhor – Como é feito o diagnóstico da convulsão, quais exames são realizados?

Dra. Thaís da Silva Santana – Vai ser feito uma anamnese detalhada, para ver todo histórico, como aconteceu essa crise, parar identificar o fator causal, serão feitos exames físico e neurológico detalhados, exames laboratoriais, análise morfológica e funcional através dos exames de imagens e eletroencefalograma.


Viva mais viva melhor – A ressonância magnética é o exame de imagem mais adequado para avaliar o cérebro e qual tempo de duração do exame?

Dra. Thaís da Silva Santana – É um excelente exame para se ver a anatomia, a morfologia do cérebro ou outra lesão mais minuciosa. Dura 30 a 40 minutos. É um excelente método com o protocolo adequado para epilepsia.


Viva mais viva melhor – O que pode ser feito evitar a crise convulsiva?

Dra. Thaís da Silva Santana – Depende do fator causal, o paciente deve tratar a causa o que leva a ter a crise. Se for por conta da glicemia, vai controlar a glicemia, se é alteração hormonal ou febre, trata-se isso também. Alguns pacientes merecem atenção especial e merecem usar tratamentos farmacológicos para convulsão, que são os que têm crises convulsivas tardia, após uma semana de um TCE ou AVC ou alteração no eletroencefalograma ou ressonância.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo